FANDOM


1- Introdu'çã'oEditar

O Giptanês (também chamado Guiptan'ês ou gipt'ânico) é um idioma ficcional da história em quadrinhos O Super Anfonídeo, falado por um grupo de criaturas produzidas por engenharia genética (eugenídeos) que se concentram, especialmente, em dois locais (fictícios): o Distrito de Juniperstad, na Rússia europeia, e um pequeno país insular, a República de Melquisedec, na Oceania (que também tem o inglês como idioma oficial).

'1.1- Histó'ria Real

O idioma foi criado para ser a língua de duas nações fictícias na história em quadrinhos O Super Anfonídeo pelo próprio autor, Júlio Cesar Rabelo, baseando-se no Esperanto, o qual estava estudando, em especial em seu alfabeto e regras muito simples de escrita e acentos interessantes que concediam um aspecto belo ao texto, e também na ideia de uma linguagem simples e harmoniosa. O nome "Giptanês" foi escolhido por este ser, originalmente, o idioma das criaturas reptilianas conhecidas como Giptanídeos.

O autor trabalhou por mais de um ano na construção do idioma, primeiro definindo o alfabeto, criando todas as regras gramaticais e palavras básicas, em seguida fazendo aperfeiçoamentos, expandindo o léxico e criando um dicionário Português-Giptanês. O idioma foi baseado superficialmente no Esperanto (principalmente no alfabeto e normas de pronúncia), possuindo cerca de 15% de seu léxico, mesclado com uma base de origem inglesa (cerca de 40% das palavras). Foram adicionados também traços de dialetos alemães e holandeses para torná-lo um idioma com aspecto mais germânico, como era de sua preferência, e também diversas palavras iguais às do português, além de criar várias outras palavras para constituir seu léxico (como os pronomes, muitas preposições e os nomes dos números). O autor procurou deixar o idioma o mais sonoro possível e deixou transparecer propositalmente um aspecto macarrônico, em especial semelhanças com o Português, tais como a sintaxe, para criar uma linguagem que transmitisse certa familiaridade e estranheza ao mesmo tempo.

O Giptanês, atualmente (2016), conta com cerca de 4.200 palavras e está bem apoiado em suas regras gramaticais, e seu vocabulário continua se expandindo.

1.2- Hist'ó'ria Fict'í'cia:

O idioma tem uma origem semelhante à da língua Africâner, falada na África do Sul. Desenvolveu-se de uma espécie de dialeto indefinido falado por eugenídeos reptilianos da espécie dos giptan'ídeos (daí o nome), que formavam um grupo de refugiados eugenídicos durante um período de guerras, o qual era composto por indivíduos de diversas origens distintas.

O giptanídeo é uma criatura que possui uma forte organização social instintiva, o que os tornam extremamente sociáveis com indivíduos da mesma espécie a ponto de indivíduos de locais muito diferentes se socializarem espontaneamente muitas vezes sem sequer conseguir se comunicar. Para resolver este problema, os giptanídeos muitas vezes simplificavam a gramática e as palavras de seus respectivos idiomas maternos, criando alterações fonéticas e estruturais que por vezes descaracterizavam seus idiomas de origem e muitas vezes possibilitavam uma mesclagem entre as diferentes línguas. O giptanês provavelmente se desenvolveu a partir de alguns de vários dialetos oriundos de misturas de línguas, com base no Inglês e no Esperanto (usado como língua franca no grupo) e com forte influência alemã, numa tentativa dos giptanídeos de diversas nacionalidades tentarem comunicar-se entre si. Embora, após algum tempo, já tivessem começado a dominar o Esperanto, os mais jovens ainda tentavam aprender as línguas dos outros, e a busca por uma identidade própria logo levou à adoção do dialeto, ao lado do inglês e do Esperanto. Este dialeto, conhecido como "dialeto gipt'ânico", era um pidgin rudimentar constituído pela mistura de inglês e Esperanto com fortes traços de português/espanhol e alemão, e logo começou a ganhar importância e se espalhar para outros grupos de eugenídeos, até que se tornou um elemento cultural do grupo, que decidiu, então, defini-lo como seu idioma materno. Com o passar do tempo esse dialeto foi se aperfeiçoando, fundindo-se com dialetos similares, sofrendo alterações e empréstimos. Logo foram definidas as regras gramaticais, fixados a sintaxe e o alfabeto e suavizados os contrastes entre os idiomas de origem. O léxico se enriqueceu e ele se afastou de suas línguas de origem, ganhando contornos próprios até se tornar um idioma pleno, embora ainda mantenha traços que lhe concedem um aspecto "macarrônico". O resultado foi um idioma germânico semi-artificial de gramática relativamente regular, que lembra uma mistura de Inglês, Alemão, Esperanto, Português e Russo.

Bandeira do Distrito de Juniperstad, Rússia.

 

1.3- Amostra de texto

Orse Fotar's Prajan

(Oração do Pai Nosso)

Orse fotar qi'ŭ stas on du skj'él, Santemaken vies jor nome.

Vires a 'ŭ'i jor rej'ĝ'on, vies dujen jor volunda,

Dizmo on erdo ha'ŭ'le on du skj'é'l.

Orse brad of jed dija, dones 'ŭ'is hoj,

Forgives orse dividas

Dizmo ha'ŭ'le 'ŭ'i forgivan orse dividers

E na'ŭ' forles 'ŭ'is fa'ŭ'le on tenta'ŝ'an,

Kaj libres 'ŭis of du mal.

Ĵis jor is du rej'ĝon, du po'ŭer e la glorija, vur e'ŭer.

Amen.

 

2- Caracter'í'sticas

A exemplo do Português, o Giptanês é uma l'íngua sint'ética flexiva, ou seja, expressa relações gramaticais entre as palavras por meio de afixos (prefixos e terminações), embora tenha certos traços analíticos. Sua morfologia é do tipo SVO (Sujeito-Verbo-Objeto). Caracteriza-se por seu léxico (conjunto de palavras) majoritariamente germânico, com uma sintaxe similar à das línguas latinas, a ordem das palavras nas frases semelhante às do Português, do Espanhol e Italiano e prosódia semelhante à do Esperanto. Quanto à sua classificação, é considerado uma língua germânica ocidental, tal como o inglês e o Alemão. Ele é considerado um descendente do inglês, mas altamente modificado.

A fonologia é muito semelhante à das línguas eslavas, especialmente o Russo, o que lhe confere um sotaque russo peculiar, muitas vezes reconhecido na pronúncia do R.

O Giptanês é essencialmente uma língua de empréstimos e, por isso, diversas palavras são oriundas de outros idiomas, adaptadas para sua gramática e fonologia. No entanto, ele possui regras gramaticais muito próprias que o tornam bem distinto de outros idiomas e tem tendência a gerar profundas modificações fonéticas nas palavras emprestadas, por vezes tornando-as irreconhecíveis. Alguns exemplos deste tipo incluem palavras como vohan (carro), originada do baixo-alemão waagen; aldan (todo(s)), do inglês all, e vorguse (esquecer), vindo do inglês forgive. Segundo sua "história fictícia", ele é considerado uma língua semi-artificial por ser baseado num dialeto pré-existente que foi deliberadamente redefinido e melhorado.

2.1- Alfabeto

O sistema de escrita é o alfabeto latino modificado, baseado no do Esperanto com algumas poucas modificações. O alfabeto Giptanês é composto por 32 letras; todas as letras comuns do alfabeto latino exceto w e y, mais oito letras adicionais: ĝ', ĥ, ĵ, ŝ, ŭ (presentes também no alfabeto do Esperanto), ñ, ч' e ļ.

O giptanês é um idioma altamente fonético: cada letra (exceto o c) possui um único som básico em todas as palavras, de forma que se torna fácil a pronúncia.

A pronúncia das letras comuns é muito parecida com o Português, exceto pelos seguintes casos:

·         C possui dois sons distintos: diante de a, o, u e consoantes é pronunciado como /k/ e diante de e e i soa como /ts/.

·         G se pronuncia sempre como em gato, mesmo seguido de e ou i (ge e gi pronunciam-se gue e gui).

·         H se pronuncia como na palavra inglesa hot.

·         J se pronuncia como um i curto ou y como na palavra foi ou o inglês yes. É semelhante ao J alemão, eslavo ou esperanto.

·         Q pronuncia-se como um k apagado, muito suave e aspirado (kh). E pode vir ligado a outras letras diretamente, sem auxílio do u. Costuma vir seguido das letras ŭ, i e u, e mais raramente j e outras letras.

·         R é pronunciado vibrando a língua, como o r russo. Nunca vibrando a garganta como no francês.

·         S soa sempre como ss, nunca como z (tal como no espanhol).

·         X pronuncia-se como ks.

·         D e T diante de i se pronunciam como em espanhol, sem ser palatalizado ("chiado") como frequentemente em português.

·         L também se pronuncia como no espanhol. Não se torna U no fim da palavra.

·         M e N nasalizam muito pouco as vogais.

 

As letras adicionais se pronunciam da seguinte forma:

·         Ч pronuncia-se como tch em tchau.

·         'Ĝ pronuncia-se como o j inglê's em Jack, ou o dígrafo dj.

·         Ĥ é um som ausente em português, um h aspirado áspero e forte. Possui dois alófonos ligeiramente diferentes conforme o dialeto. No dialeto de Juniperstad, possui um som ensurdecido semelhante ao ch alemão em Liechtenstein (lê-se lirrh''tenst'á'in) ou o X russo (KH). No dialeto de Melquisedec, este som pode soar mais vozeado, semelhante ao GH do nome inglês Callaghan ou o J espanhol em mujer. É um som bem próximo ao chiado de ameaça emitido pelos gatos.

·         'Ĵ' pronuncia-se como o j em português e francês (janela, journal, girafa).

·         Ļ é pronunciado como lh.

·         Ñ representa o som de nh, idêntico ao ñ espanhol. Ele nasaliza as vogais, especialmente no fim da palavra.

·         Ŝ tem o som de ch de chavex como em xadrez ou sh de show.

·         Ŭ é um u curto como em quatro e Nicolau ou o w inglês em water.

 

Obs.: A letra X nunca inicia uma palavra, sendo geralmente substituída pelo Ŝ. Ļ e H nunca aparecem no fim das palavras. Ŭ não é uma vogal, e sim uma consoante semivogal, como o J. As letras mais raramente utilizadas são Ч, Ñ, X, C, Ĵ e, principalmente, Ļ.

 

2.2- Tabela de Letras e Pron'ú'ncia

 

'Letra'

'Nome '(Pron'ú'ncia em Portugu'ê's)

Fonema (AFI)

(Pron'ú'ncia em Portugu'ê's)

Pron'ú'ncia

A, a

a

/a/

Como em águia.

B, b

be

(bê)

/b/

Como em barco

C, c

ce

(tsê)

/k/,

/ʦ/

Pronuncia-se como /ts/ quando seguido de E e I  (como em etcé'tera) e como /k/ na presença de A, O, U e consoantes (como em carro.

'Ч', 'ч'

'ч'e

(tchê)

/ʧ/

(tch)

TCH como em tchau, CH em cheese ou o T seguido de I em tigre.

D, d

de

(dê)

/d/

Pronunciado sempre como em dado. Não chia quando seguido de I.

E, e

e

(ê)

/e/

E aberto (É) quando acentuado com acento agudo, fechado (Ê) quando acentuado com trema e intermediário quando não acentuado.

F, f

éf

/f/

Como em faca.

G, g

ge

(guê)

/g/

Sempre como em gato, mesmo quando seguido diretamente de E ou I.

'Ĝ', 'ĝ'

ĝe

(djê)

/ʤ/

(dj)

DJ, como o J da língua inglesa em Jack ou o som chiado do D quando seguido de I em português (como em dia).

H, h

hajd

(rháid)

/h/

H aspirado como o da língua inglesa em palavras como hot dog. A pronúncia lembra o RR em português, mas sem vibração.

'Ĥ', 'ĥ'

'ĥap-h'ájd (rrháp-rháid)

/x/

(rrh)

H aspirado forte, palatalizado e áspero; som semelhante ao CH alemão em Van Macher (dialeto de Juniperstad) ou o som do J espanhol em mujer (dialeto de Melquisedec). Este som, ausente em Português, lembra o chiado de ameaça emitido por gatos quando acuados.

I, i

i

/i/

I forte como em isca.

J, j

je

(yê)

/j/

(y)

I fraco ou Y semivocálico, como em praia ou no inglês yes.

'Ĵ', 'ĵ'

ĵe

(jê)

/ʒ/

(j)

Igual ao J em português, ou G seguido de E ou I, em palavras como jornal e gelo.

K, k

kaj

(cái)

/k/

Como em casa, kaiser.

L, l

él

/l/

Pronunciado sempre como em lâ'mpada em qualquer posição da palavra, mesmo no final ou seguido de consoantes (não muda o som para /w/ como o L português em palavras como falta ou animal).

'Ļ', 'ļ'

'e'ļe

 

(êlhe)

/ʎ/

(lh)

Como o LH português em molho e lhama ou como no inglês million.

M, m

em

/m/

Como em manga. O M giptanês nasaliza apenas ligeiramente a vogal que o precede.

N, n

en

/n/

Sempre como em nariz. Também nasaliza as vogais apenas de leve e mantém sua pronúncia nítida mesmo no final da palavra (Rodizan se pronuncia /ro-dí-zann/ e não /ro-dí-zã/).

'Ñ', 'ñ'

'ej'ñ

(êinh')

/ɳ/

(nh)

Como o NH português em manhã ou o Ñ espanhol em año. Diferente do M e do N, o Ñ nasaliza perceptivelmente as vogais, principalmente no final da palavra.

O, o

o

(ô)

/o/

O aberto (Ó) quando acentuado com acento agudo, fechado (Ô) quando acentuado com trema e intermediário quando não acentuado.

P, p

pe

(pê)

/p/

Como em pato.

Q, q

'qi'ŭ

(quíu)

/q/

(kh)

K fraco, aspirado e glotalizado, pronunciado abrindo-se a garganta, como o KH da palavra inglesa Khazakhstan (Cazaquistão). Som ausente em Português, pronunciado como um K apagado. O Q giptanês se liga diretamente às vogais.

R, r

ér

/r/

R vibrante e forte similar ao da língua russa, pronunciado sempre como em arara, nunca como em rato ou carro.

S, s

és

/s/

É pronunciado sempre como em sapo, com som de SS em qualquer posição da palavra (semelhante ao S espanhol).

'Ŝ', 'ŝ'

éŝ

(ésh)

/ʃ/

(sh)

É pronunciado como o CH português em chato, como o SH em show ou o X em xí'cara.

T, t

te

(tê)

/t/

Pronuncia-se sempre como o T de tatu em qualquer posição da palavra, mesmo quando seguido de I, sem chiado.

U, u

u

/u/

U forte como na palavra urso.

'Ŭ', 'ŭ'

ŭós

(uós)

/w/

U fraco ou W como em á'gua ou water.

V, v

ve

(vê)

/v/

Como em vaca

X, x

exo

(êcso)

/ks/

Sempre como em táxi, nunca como o X em xadrez. Soa sempre como KS.

Z, z

zet

(zêt)

/z/

Sempre como em zero.

 

Obs: Embora as letras w e y não façam parte do alfabeto giptanês, podem ser encontradas em palavras de origem estrangeira não-assimiladas, como alguns nomes próprios. Seus nomes são igrek ou ipsilone (Y) e dablo (W), e são foneticamente equivalentes a j ou i (y) e ŭ ou v (w).

3- Gram'á'tica

3.1- Regras de Acentua'çã'o

As regras de acentuação das palavras nesta língua são bem simples. O Giptanês é um idioma de padrão essencialmente paroxítono, tal como o Polonês e o Esperanto: as palavras polissílabas costumam ter a sílaba tônica na penúltima posição (paroxítona). Mas esta língua também permite a existência de palavras com a sílaba tônica em outra posição, porém toda palavra polissílaba que fugir ao padrão paroxítono deve receber acento gráfico em sua sílaba tônica. Ou seja, todas as ox'ítonas e proparox'ítonas s'ão acentuadas em Giptan'ês.

Ex:

Ro-di-zan Paroxítona (não se acentua)

Ŭa-ter Paroxítona

Vor-gu-se Paroxítona

Á-to-mo Proparoxítona (se acentua)

H'''''ö'-ri-ble Proparoxítona

Mo-nér Oxítona (se acentua)

Ĵu-ni-per-stád Oxítona

Ka-fëj Oxítona

Sta-úl Oxítona

Monossílabos serão acentuados apenas se tiverem e ou o abertos. A acentuação é feita com acento agudo.

Ex:

Stas Monossílabo (não se acentua)

Diz Monossílabo

Vur Monossílabo

Vojz Monossílabo com O fechado (não se acentua)

Jed Monossílabo com E fechado (não se acentua)

J'és Monossílabo tônico com E aberto (se acentua)

Skj'él Monossílabo tônico com E aberto

Órs Monossílabo tônico com O aberto (se acentua)

 

As vogais E e O, além da consoante C, são as únicas letras do Giptanês que apresentam variações de som. O C possui dois fonemas distintos, /k/ e /ts/. As vogais E e O, por outro lado, podem variar o tom, podendo ser fechadas ou abertas como em Português. Essa diferença se torna mais marcante durante a acentuação destas letras.

O Giptanês faz uso de dois tipos de acento tônico: o acento agudo (´) e o trema (¨).

O acento agudo é utilizado para acentuar todas as vogais tônicas não-paroxítonas, mas quando as letras e e o são acentuados desta forma elas tendem a mudar o timbre da pronúncia e apresentar um tom aberto, ao invés do tom fechado comum. Para evitar ambiguidades, no caso de a sílaba tônica ser formada por e ou o fechados, usa-se o trema no lugar do acento agudo. Este outro acento é utilizado apenas sobre e e o quando se deseja fixar o tom fechado destas vogais após a acentuação, o que não seria possível com o acento agudo. As outras vogais não sofrem nenhuma alteração de som, sendo o acento agudo usado apenas para marcar a sílaba tônica.

O acento agudo também é usado para marcar e e o tônicos abertos em monossílabos. Não se usa o trema em monossílabos, pois é evidente que e ou o não acentuados serão sempre fechados.

Vale lembrar que apenas o acento agudo e o trema são considerados acentos em Giptanês; os outros diacríticos usados sobre algumas das letras adicionais do alfabeto (tais como ñ, ŭ e' 'ĥ) são parte integrante da letra (tais como o pingo do i), e não acentos. Essas letras com diacríticos n'ão s'ão variações das letras sem acento (como no caso de e, é e ё), e sim letras totalmente independentes. Ĝ (djê) n'ão 'é um G (guê) com acento!

·         'S'ílabas e ditongos

Em giptanês, duas vogais nunca aparecem na mesma sílaba. Todo e qualquer encontro vocálico será um hiato, e as vogais são pronunciadas com sons separados. Os ditongos se constituem do encontro entre uma vogal (a, e, i, o, u) e uma semivogal (j, ŭ). Diferente do português, em que i e u podem ser vogais ou semivogais dependendo do contexto, em giptanês eles não podem fazer este papel, são sempre vogais. As duas semivogais também nunca se encontram.

Em conseqüência disso, cada vogal corresponde a uma sílaba e, como a maioria das palavras é paroxítona, a sílaba tônica geralmente vem na penúltima vogal (lembrando-se sempre que o ŭ n'ão é uma vogal), e o acento gráfico é usado, portanto, quando este padrão paroxítono é violado.

Uma marca bem característica da língua é a ausência de dígrafos. Como cada som do idioma giptanês possui uma letra correspondente, não há necessidade de um grupo de letras para representar certo fonema. Logo, não existem letras duplas como ll', rr, ss ou grupos de letras como ch, dj, sh, nh, lh, xc, sch, etc (exceto em palavras estrangeiras não-assimiladas). O único quase-dígrafo permitido é q'ŭ, mas as letras possuem fonemas separados. Vogais duplas podem ocorrer, mas apenas em casos excepcionais. Os únicos casos em que aparecem duas letras iguais adjacentes são em certas palavras como repreende e zoologic, e são um vestígio etimológico. As duas vogais constituem um hiato, não formando um dígrafo, portanto.

O Giptanês não faz distinção entre vogais longas ou curtas como os demais idiomas germânicos. Porém palavras monossílabas ou oxítonas que contenham e e o fechados tendem a ser mais alongados.

3.2- G'ê'neros Gramaticais

O giptanês possui três gêneros gramaticais: masculino, feminino e neutro. É diferente do Português, que só possui dois gêneros (masculino e feminino), mas semelhante às línguas germânicas (como o Alemão), que também têm três gêneros.

Ex:

De homan viej fluigen. (O homem foi atropelado.) - Masculino

La kena is muj bela. (A menina é muito bonita.) - Feminino

Du virdan is muj hajgan. (A árvore é muito alta.) - Neutro

En darkon horsan. (Um cavalo preto.) - Masculino

Na gata bitej mi. (Uma gata me mordeu.) - Feminino

An q'ŭikan vohan. (Um carro veloz.) - Neutro

A maioria dos nomes de animais e entes sexuados são flexionados de formas diferentes para cada gênero. Nomes masculinos geralmente terminam em -o; nomes femininos terminam em -a e nomes neutros em -an ou consoante.

Gat - Gato (espécie, geral) -- Neutro

Gato - Gato macho -- Masculino

Gata - Gata -- Feminino

Hond - Cão (espécie, geral) -- Neutro

Hondo - Cão macho -- Masculino

Honda - Cadela -- Feminino

 

3.3- Artigos

O idioma Giptanês conta com seis artigos, três definidos e três indefinidos (um para cada gênero), além de seus respectivos plurais. São eles:

 

Masculino

Feminino

Neutro

Definido

De

La

Du

Des

Las

Dus

Indefinido

En

Na

An

Ens

Nas

Ans

·         De(s) equivale a o(s) (artigo definido masculino);

·         La(s) equivale a a(s) (artigo definido feminino);

·         Du(s) não tem equivalente em Português (artigo definido de gênero neutro).

·         En(s) equivale a um(uns) (artigo indefinido masculino)

·         Na(s) equivale a uma(s) (artigo indefinido feminino)

·         An(s) não tem equivalente em Português (artigo indefinido neutro)

3.4- Graus

·         Aumentativo

O grau aumentativo é feito adicionando-se o sufixo -a'ĝo' (em palavras masculinas e neutras), -a'ĝa (em palavras femininas) e -a'ĝan em palavras neutras.

Ex:

Krataĝan Buracão (neutra)

Gataĝa Gatona (feminina)

Hondaĝo Cachorrão (masculina)

·         Diminutivo

É gerado acrescentando-se o sufixo -i'ŝko' (para palavras masculinas), -i'ŝka (para palavras femininas) ou -i'ŝkan (para o gênero neutro).

Ex

Ma'ŭsaniŝkan Ratinho (neutra)

Fridiŝko Irmãozinho (masculina)

Hondiŝka   Cadelinha (feminina)

Obs: Apelidos carinhosos muitas vezes substituem o i dos sufixos por u.

Ex:

Mamuŝka - Mamãezinha

Gatuŝkans - Gatinhos de estimação

Daduŝko Papaizinho

3.5- Pronomes

 

·         Pessoais Retos:

Pessoa

Pronome (Giptanês)

Pron'ú'ncia

Equivalente Portugu'ê's

1ª S

Ja

/iá/

Eu

2ª S

Ju

/iú/

Tu/Você

 

3ª S

Ho'ŭ'l

/rhôul/

Ele

'Ŝ'i

/chí/

Ela

Dit

/dít/

Ele/Ela (neutro)

1ª P

'Ŭ'i

/wí/

Nós

2ª P

Jus

/iús/

Vós/Vocês

 

3ª P

Holes

/rhôles/

Eles

'Ŝ'ej

/chêi/

Elas

Hules

/rhúles/

Eles (neutro)

 

 

·         'Pessoais Obl'íquos:

Pessoa

Pronome Giptan'''''ê'''''s

Pron'''''ú'''''ncia

Equivalente em Portugu'''''ê'''''s

1'ª' pes. S

Mi

/mí/

Me, Mim

2'ª' pes. S

Ju

/yú/

Ti

 

'Ĥ'i

/rrhí/

Se, Si

3'ª' pes. S

Le

/le/

O, A

1'ª' pes. P

'Ŭ'is

/wis/

Nos

2'ª' pes. P

Jus

/yês/

Vos

3'ª' pes. P

'Ĥ'i

/rrhí/

Se, Si

(plural)

Os pronomes do caso oblíquo vêm quase sempre depois do verbo, diferente do português:

-- Dones mi an vik of 'ŭ'ater? (Me dê um pouco d'água?)

-- Ŝi lusej ju vur e'ŭer. (Ela te perdeu para sempre.)

-- Ja edzigej mi jester. (Eu me casei ontem.)

-- Helpes mi, plejz! (Me ajude, por favor!)

-- Ho'ŭl kilej ĥi. (Ele se matou.)

-- Hules lusejan ''ŭ'''''is on la vi'ĵ'an.' (Eles nos perderam de vista.)

 

·         Possessivos

Pessoa

Pronome (Giptanês)

Equivalente Portugu'ê's

1ª S

Maj,

Majn

(final da frase)

Meu(s) / Minha(s)

2ª S

jor

Teu(s) / Tua(s)

 

3ª S

Hule

Seu

'Ŝ'ule

Sua

Dits

Seu / Sua (neutro)

1ª P

'Ó'rs,

Orse

Nosso

2ª P

jors

Vosso

 

3ª P

Huls

Seu (plural)

(masculino e neutro)

'Ŝ'uls

Sua (plural)

 

Os pronomes possessivos não sofrem variação em número ou gênero.

-- Maj frida (minha irmã)

-- Maj fotar (meu pai)

-- Maj nova vestas (minhas roupas novas)

-- Orse fotar qiŭ stas on du skjél (Pai nosso que está no céu)

-- Forgives orse dividas (Perdoe nossas dívidas)

-- Jor frejd (teu amigo)

-- Jor mater (tua mãe)

A diferenciação entre números e gêneros fica a cargo do sujeito da oração.

·          Demonstrativos

 

1'ª' Pessoa

2'ª' Pessoa

3'ª' Pessoa

Masculino

Diz

(este)

Dez

(esse)

D'é't

(aquele)

Feminino

Di'ŝ'

(esta)

De'ŝ'

(essa)

Dat

(aquela)

Neutro

Dit

(isto)

Det

(isso)

D'ó't

(aquilo)

 

 

3.6- Adjetivos

Os adjetivos, em giptanês, costumam vir antes dos substantivos, tal como ocorre no Inglês. Eles podem sofrer variação de gênero mas não sofrem flexão de número, ou seja, são usados da mesma forma invariável tanto no singular ou no plural. Em alguns casos, contudo, podem vir depois do substantivo e nestes casos são tratados como substantivos, sofrendo variações em número.

Ex:

Maj hus heva bluan vinters. (minha casa tem janelas azuis.)

Di'ŝ leters ar bluans. (Estas letras são azuis.)

Gren virdans (árvores verdes)

Dus lefs of du virdan ar grens. (As folhas da árvore são verdes.)

3.7- Plural

O plural em giptanês é feito de forma diferente conforme a classe gramatical da palavra.

  • Substantivos, artigos e pronomes retos recebem um s ao fim de palavras, a menos que ela termine em s, z, ч ou x, em que acrescenta-se a partícula -es.

Ex:

Gat (gato) Gats (gatos)

Homan (homem) Homans (homens)

Ŝprekler (idioma) Ŝpreklers (idiomas)

Hond (cão) Honds (cães)

Rajz (arroz) Rajzes (arrozes)

  • Para os verbos, o plural é feito acrescentando-se a terminação -an.

Ex:

Anda (ando, anda(s)) Andan (andam/ais/os)

Livija (vivia(s)) Livijan (vivíamos/íeis/iam)

Ŝulda (posso/pode(s)) Ŝuldan (podemos/eis/em)

Dingej (pensei/pensaste/pensou) Dingejan (pensamos/aste/aram)

Runas (corro/correres/correr) Runan (orrermos, corrêreis, corre)

  •  Pronomes possessivos, obl'íquos, demonstrativos, adv'érbios e adjetivos (na maioria das vezes) não possuem flexão de número, portanto não têm plural.

3.8- Conjuga'çã'o dos Verbos

3.8.1- Verbos Regulares

 

Modo Verbal

F'ó'rmula de conjuga'çã'o

Infinitivo

Rad + e

Imperativo

Rad + es

Particípio

Rad + en

Particípio Presente

Rad + er

Indicativo

Rad + Infixo + a* (sing)

Rad + Infixo + an (plural)

Subjuntivo

Rad + Infixo + as (sing)

Rad + Infixo + an (plural)

 

* Os verbos no pretérito perfeito do indicativo e subjuntivo são exceções, pois não terminam em a no singular.

·         Infinitivo

Os verbos regulares no modo Infinitivo terminam com a desinência -e.

--> Radical do verbo + e

Ex.:

Live (viver)

Parte (partir)

Ande (andar)

Ŭable (falar)

Heve (ter)

Vujorke (trabalhar)

-- Ja na'ŭ 'ŭisa ande on bicikle. (Não sei andar de bicicleta.)

·         Modo Indicativo

Os verbos sofrem flexão de número (singular, plural), mas não de pessoa, de forma que há diferença entre singular e plural, mas não entre as três pessoas de cada um. Há apenas uma forma comum às três pessoas do singular e outra para as do plural.  A diferenciação entre elas é dada pelo pronome precedente empregado. Os verbos terminam com a desinência -a (plural em -an), precedida por vezes de um infixo que indica o tempo verbal. A exceção é o pretérito perfeito, que perdeu a terminação em a nas três pessoas do singular.

Infixos:

- Presente: n'''''ão h'''''á

- Pretérito perfeito: -ej-

- Pretérito imperfeito: -ij-

Fórmula de conjugação:

Radical do verbo + Infixo (tempo verbal) + a(n)

 

Presente:  O verbo no presente dispensa o infixo, sendo produzido apenas com o radical do verbo terminado em -a no singular e -an no plural.

--> Radical do verbo + a(n)

Ex.:

Ho'ŭl ŭabla (ele fala)

Ja vujorka (eu trabalho)

Ju heva ([tu] tens / você tem)

Hules andan (eles/elas andam)

Ŭi vujorkan ([nós] trabalhamos)

-- Maj frejd heva an najz vohan. (meu amigo tem um carro bacana.)

Pret'''''érito Perfeito: O infixo que define este tempo verbal é -ej-. O verbo no pretérito perfeito perdeu a terminação em a no singular, mas mantém o plural -'an. Por causa disso, a terminação dos verbos é feita com a desinência -ej (que corresponde ao infixo) no singular e o plural com o fim em -ejan.

--> Radical do verbo + ej + -- (an)

Ex:

Ja partej ([eu] parti)

Ŝi andej (ela andou)

Holes ŭablejan (eles falaram)

Ja vujorkej ([eu] trabalhei)

Ŭi lusejan ([nós] perdemos)

-- Ja ŭablej a ju vur na'ŭ duje dit! (Eu falei pra você não fazer isso!)

Pret'''''érito Imperfeito: Constituído pela raiz do verbo seguida do infixo -'ij- e a terminação -a no singular e -an no plural.

--> Radical do verbo + ij+ a(n)

Ex.:

Ja ĥurlija (eu queria)

Ŝi pasija (ela passava)

Holes runijan (eles corriam)

Ju lo'''''ĝija (tu / você morava(s))

Ŭi dingijan (nós pensávamos)

-- Ja nidija duje an 'ĝukan, kaj findej de 'ŭater. (Eu precisava fazer um suco, mas a água acabou.)

Futuro:

O Giptanês não tem conjugação para verbos no futuro. Para construir este tempo, usa-se uma locução verbal formada adicionando-se o auxiliar ire imediatamente antes do verbo, constituindo, portanto, um futuro analítico. O termo ire não é um verbo e não tem um significado próprio, servindo apenas para se passar a noção de tempo futuro ao verbo.

Futuro do Presente: usa-se o verbo no presente precedido de ire.

--> Ire +  radical do verbo + a(n)

 

Ex.:

Ja ire vobla (eu conversarei)

Ju ire lo'''''ĝa (tu morarás / você morará)

Ŝi ire vujorka (ela trabalhará)

Ŭi ire kipan (nós sairemos)

-- Onde ire liva mi nura? (Onde viverei eu agora?)

Outra forma de se construir o futuro do presente, mais informal, é feita com uma locução verbal contendo o verbo no infinitivo antecedido pelo verbo auxiliar go (ir), que, por sua vez, pode ou não ser precedido por ire:

-- Ja (ire) go jate in an frances resta'ŭ'r'á'nt. (Vou comer / comerei em um restaurante francês.)

Futuro do Pret'''''érito: usa-se o mesmo procedimento do Futuro do Presente, mas acrescentando-se o auxiliar ire' antes do verbo no Pretérito Imperfeito.

--> Ire + radical do verbo + ij + a(n)

Ex.:

Ja ire explizija (eu explicaria)

Ŭi ire ŭablijan (nós falaríamos)

Ŝej ire andijan (elas andariam)

Ho'ŭl ire runija (ele correria)

Dit ire livija (ele / ela [indefinido] viveria)

-- Exq''ú'lz, ju ire ŝ'''''uldija done mi an informa'ŝ'an? (Com licença, você poderia me dar uma informação?)

Obs.:

Ire pode vir contraído ou aglutinado ao verbo ou ao pronome:

- Ire > ir' ou 're

- Ire estas > ir'estas

- Ja ire > ja're

- Ŭi ire >' 'ŭ'ire

- Ŝi ire > ŝ'ire

-- Ho'ŭl ir'estas 'ŭit ju onde ju ire stijas. Balda'ŭ ju 're vida dit. (Ele estará com você onde você estiver. Em breve você verá isto.)

 

·         Modo Subjuntivo

Os verbos no modo subjuntivo também são construídos de forma analítica, formados por verbos no indicativo precedidos por preposições condicionais tais como ivan (se) e ha'''''ŭle (quando), e as vezes onde, tornando o modo subjuntivo implícito no contexto. Comumente, os verbos do subjuntivo no singular recebem um S no final, para diferenciá-lo do modo indicativo. O plural do modo subjuntivo, contudo, é feito da mesma forma que no modo indicativo, e a diferenciação entre eles depende do contexto.

Em muitos casos, os verbos no singular podem ser escritos como no modo indicativo sem problemas para a sentença, uma vez que as preposições condicionais deixam implícito o modo subjuntivo.

A fórmula básica para o modo subjuntivo ou condicional fica sendo assim:

Preposi'çã'o condicional + Pronome + Radical do verbo + Infixo (tempo verbal) + as (an)

Ex.:

(Ivan) ja ŝuldas ((se) eu puder)

(Ha'''''ŭle)' jus ire runas ((quando) vocês correrem)

(Ivan) dit orbitijas ((se) ele/ela orbitasse)

(Ivan)' ju vin'''''ĝejs ((se) tu venceste)

(Ivan) '''''ŭi dingijan ((se)nós pensássemos)

(Ivan) ja livijas ((se) eu vivesse.

(Ha'''''ŭle) ja ire lo'''''ĝas ((quando) eu viver)

Onde ju ire stijas (onde você estiver)

O Presente do Subjuntivo pode ser escrito na forma ivan + pronome + verbo no presente.

-- Ivan '''''ŭ'''''i drinkan a nura, huen ire go vojre diz 'ĝ'antlevohan?! (Se nós bebermos agora, quem irá dirigir este ônibus?!)

 

O Pretérito do Subjuntivo pode ser escrito na forma ivan + pronome + verbo no pret'''''érito (perfeito ou imperfeito).

-- Ivan ja stijas al vujorke ha'ŭmode maj fotar ordej, hoj ja ire stija rik mujv'ërian... (Se eu estivesse trabalhando conforme meu pai mandou, hoje eu estaria bastante rico...) - Pretérito Imperfeito

 

O Futuro do Subjuntivo é escrito na forma ha'''''ŭle + pronome + ire + verbo no presente ou pret'''''érito imperfeito.

-- Ha'ŭ'''''le ja ire nidas of ju, ja ire go voke ju. (Quando eu precisar de você, eu irei te chamar.) - Futuro do Presente

 

No modo subjuntivo, são mais usados os verbos no Pret'érito Imperfeito, Presente e Futuro do Presente.

·         Modo Imperativo

O verbo conjugado neste modo assume uma única forma invariável, sem flexão de número ou de pessoa, terminada com a desinência -es. A identificação do sujeito é inteiramente dependente do pronome utilizado ou do contexto.

--> Radical do verbo + es (Pronome)

Ex.:

Vujorkes (ju) (Trabalhe (você))

Andes jus (Andem (vocês))

Drizes ho'ŭl (Traga (ele))

Ŭables ju (Fale (você))

Pases ŭis (Passemos (nós))

-- Drizes (ju) an refri'ŝ'kan vur mi, plejz. (Traga um refrigerante pra mim, por favor.)

Obs.: Por motivo de simplicidade, não há necessidade de expressar o pronome quando o sujeito se refere à segunda pessoa do singular (ju), já que o verbo no imperativo é mais usado neste caso. O modo imperativo não se aplica a primeira pessoa do singular (ja).

·         Particípio

Adiciona-se à raiz do verbo a terminação -en.

--> Radical do verbo + en

Ex.:

Vujorken (trabalhado)

Gerizen (envelhecido)

Parten (partido)

Pasen (passado)

Muren (morrido)

Uniden (unido)

-- Maj c'él stija broken. (Meu celular estava quebrado)

·         Particípio Presente (Gerúndio)

O Giptanês, como a maioria das outras línguas germânicas, não possui o modo gerúndio. Em vez disso o idioma faz uso do Particípio Presente, um modo verbal praticamente inexistente em português e que funciona como gerúndio. O Particípio Presente usa a terminação -er, ora agindo como verbo e ora agindo como adjetivo de acordo com o contexto.

-- Ja stoj izer hiar. (Estou ficando aqui.)

Literalmente: "Eu estou ficante aqui."

-- 'Ŝi stas vobler 'ŭit ju. (Ela está falando com você.)

Literalmente: "Ela est'á falante com voc'ê."

-- Ja n' ajm ŭiser dit. (Não estou sabendo disso.)

Literalmente: "Eu n'ão sou ciente disso."

Dujer ("fazente" > fazendo)

Paser (passante > passando)

Dalker (dizente > dizendo)

Ŭabler (falante > falando)

Valker (caminhante > caminhando)

Como forma alternativa, pode-se usar a preposição al seguida do verbo no infinitivo para indicar um equivalente ao gerúndio:

Al vide (vendo)

Al jate (comendo)

Al vujorke (trabalhando)

Al voja'''''ĵe (viajando)

-- "Ha'ŭ'le hapes 'ŭ'i stan al vide orse ideale a florize!" (Quão felizes estamos vendo nosso ideal a florescer! -- trecho do Hino de Juniperstad)

·         'Exemplo de conjuga'ção verbal:

-- Verbo Ŭable (falar)

Indicativo / Subjuntivo

Pessoa

Presente

Pret. Perf.

Pret. Imp.

Fut. Pres.

Fut. Pret.

1'ª S'

Ŭabla

Ŭablas

Ŭablej

Ŭablejs

Ŭablija

Ŭablijas

Ire  Ŭabla

Ire  Ŭablas

Ire

Ŭablija

Ire  Ŭablijas

2'ª S'

3'ª S'

1'ª P'

Ŭablan

Ŭablejan

Ŭablijan

Ire  Ŭablan

Ire  Ŭablijan

2'ª P'

3'ª P'

Imperativo

'Partic'ípio

'Partic'ípio presente

Ŭables

Ŭablen

Ŭabler

3.8.2- Verbos irregulares

Verbos irregulares, ou seja, aqueles que fogem às regras gerais de conjugação, são muito raros no idioma giptanês. Constituem as únicas exceções às regras de conjugação verbal do idioma. Apenas quatro verbos assim são mais usados: Vie (ser), Stas (estar), Go (ir) e Haj (haver). Estes verbos são resquícios de outros idiomas ou dos antigos dialetos que originaram o Giptanês, antes de as regras de conjugação serem toralmente firmadas, e permanecem no idioma atual por serem alguns dos verbos mais utilizados. Veremos as formas conjugadas destes verbos abaixo:

·         Verbo Vie (ser):

Indicativo / Subjuntivo

Pessoa

Presente

Pret. Perf.

Pret. Imp.

Fut. Pres.

Fut. Pret.

1'ª S'

Ajm

Vias

Viej

Viejs

Vija

Vijas

Ire Via

Ire Vias

Ire Vija

Ire Vijas

2'ª S'

Es

3'ª S'

Is

1'ª P'

Ar

Vian

Viejan

Vijan

Ire Vian

Ire Vijan

2'ª P'

3'ª P'

Imperativo

'Partic'ípio

'Partic'ípio presente

Vies

Vien

Vijer

 

O verbo vie é irregular apenas no Presente do Indicativo por influências do Inglês, havendo resquícios de diferenciação de pessoas no singular. Há também duas formas alternativas para a primeira pessoa do singular. Originalmente regular no projeto ortográfico original (as formas no presente eram via e vian), o uso corriqueiro de resquícios do inglês, como as formas ajm (corruptela de I'm, "eu sou" em inglês), is e ar (de are) acabou suplantando a forma correta no presente do Indicativo, tornando o verbo irregular. As formas originais permanecem apenas no subjuntivo e no futuro do presente.

 

·         Verbo Stas (estar)

Indicativo / Subjuntivo

Pessoa

Presente

Pret. Perf.

Pret. Imp.

Fut. Pres.

Fut. Pret.

1'ª S'

Stoj

Stej

Stejs

Stija

Stijas

Ire Stoj

Ire Stija

Ire Stijas

2'ª S'

Stas

Ire Stas

3'ª S'

Stas/Estas

Ire Estas

1'ª P'

Stan

Stejan

Stijan

Ire Stan

Ire Stijan

2'ª P'

3'ª P'

Imperativo

'Partic'ípio

'Partic'ípio presente

Stijes

Stijen

Stijer

O verbo stas é irregular no infinitivo, pois não termina em e, bem como no presente (e futuro do presente), não possuindo diferenciação entre os modos Indicativo e Subjuntivo. Também há uma forma diferenciada para a primeira pessoa. Para segunda e terceira pessoas, a conjugação é igual ao infinitivo e há ainda uma forma alternativa para terceira pessoa (estas, um resquício do Esperanto).

Este verbo era inexistente no projeto original, surgindo como um desdobramento do verbo vie, que era traduzido como ser ou estar (assim como o to be do Inglês). O verbo stas é originado do Esperanto estas. Em alguns casos, o verbo stas pode ser substituído por vie.

·          Verbo Go (ir)

Indicativo / Subjuntivo

Pessoa

Presente

Pret. Perf.

Pret. Imp.

Fut. Pres.

Fut. Pret.

1'ª S'

Go

Gojs

Goej

Goejs

Goja

Gojas

Ire Go

Ire Gojs

Ire Goja

Ire Gojas

2'ª S'

3'ª S'

1'ª P'

Goŭan

Gojan

Gojan

Gon

Ire Gojan

2'ª P'

3'ª P'

Imperativo

'Partic'ípio

'Partic'ípio presente

Gojes

Gojen

Gojer

O verbo go, resquício do Inglês, é altamente irregular em todos os tempos, nos infixos e terminações verbais. A forma regular original do verbo (ide) se perdeu, restando apenas a forma originada do inglês, de uso corriqueiro. Há um pouco de regularidade apenas nos modos particípio e imperativo.

·         Verbo Haj (haver)

Indicativo / Subjuntivo

Pessoa

Presente

Pret. Perf.

Pret. Imp.

Fut. Pres.

Fut. Pret.

1'ª S'

Haj

Hajs

Havej

Havejs

Havija

Havijas

Ire Haj

Ire Hajs

Ire Havija

Ire Havijas

2'ª S'

3'ª S'

1'ª P'

Hajan

Havejan

Havijan

Ire Hajan

Ire Havijan

2'ª P'

3'ª P'

Imperativo

'Partic'ípio

'Partic'ípio presente

Hajes

Hajen

Haver

O verbo haj é irregular no infinitivo (não termina em e), no presente e no futuro do presente (nas três pessoas do singular), tendo o verbo nesses tempos e modos verbais a mesma terminação. Há outra versão do verbo, have, que é perfeitamente regular mas pouco usada.

Uma característica notável do idioma giptanês é que há uma clara distinção entre os verbos ser e estar, algo que não ocorre em outros idiomas germânicos.

4- Condi'çõ'es

4.1- '''Status'''

À exceção de Juniperstad, o Giptanês é língua minoritária em todos os lugares onde é falado. O único país independente em que o idioma tem estatuto oficial é Melquisedec, mas ainda assim é falado por apenas 18% da população, como língua co-oficial minoritária ao lado do Inglês. 90% dos falantes de giptanês são bilíngues: também falam algum outro idioma de mais prestígio, especialmente inglês e russo.

Por ser majoritariamente falado por "eugenídeos rebeldes", não possui uma reputação muito boa e não tem muita influência fora dos locais onde é falado. Muitos defendem seu uso como língua internacional dos eugenídeos, mas pela falta de prestígio, foi suplantado pelo Esperanto.

No entanto, o número de falantes do idioma vem aumentando consideravelmente, especialmente entre os eugenídeos mais jovens. O idioma é falado por cerca de 4,6 milhões de eugenídeos em todo o mundo, e mais 522 humanos em Melquisedec e 1.126 na Austrália.

4.2- Dialetos

O giptanês desenvolveu, com o passar do tempo, algumas variantes regionais, de acordo com os países onde estão localizados seus falantes. A maioria dos falantes localiza-se em Juniperstad e Melquisedec, mas também há falantes minoritários em outras partes da Rússia, nos Estados Unidos, Canadá, Ilha Zero, Polônia, Ucrânia, Austrália e Alemanha, além de uma pequena comunidade em Gótis (Brasil). O giptanês de Juniperstad é o dialeto padrão e o mais falado no mundo.

O Giptanês possui 5 dialetos principais: o Giptan'ês juniperiano, o Giptan'ês de Melquisedec, o Rusgiptan, o Poli'''''ŝkan e o Giptan'ês da Ilha Zero. As diferenças entre a maioria das variantes não são muito evidentes, sendo compostas, na maioria dos casos, apenas por pequenas variações fonéticas e alguns empréstimos linguísticos.

 

'- Giptan'''''ês Juniperiano

A forma padrão do idioma, com uma fonologia influenciada pelo russo. Tem uma cadência harmoniosa e leve, e com certa tendência para pronunciar as vogais E e O mais fechadas. Tem o R marcado, bem vibrante, o Ĥ ensurdecido, pronunciado como o Х russo (KH) e uma evidente diferença entre os sons de K e Q. Palavras com mais de três sílabas possuem um acento tônico secundário localizado sempre duas sílabas antes da sílaba tônica principal. O nome Juniperstad, por exemplo, pronuncia-se ĵu-ni-per-stád.

 

- Giptan'''''ês de Melquisedec

A segunda variante mais falada, sobretudo em Melquisedec e Austrália (principalmente no distrito eugenídico de Sant' Johanes), e também a única com falantes humanos nativos. Tem influências fonológicas do inglês, é marcado por um R menos vibrante e levemente retroflexo, um Ĥ vozeado, pronunciado mais como GH, o C seguido de E e i pronunciado mais como /s/, menor diferença entre K e Q (este último às vezes se pronuncia como o Ĥ do dialeto juniperiano), E e O mais abertos, certa dificuldade de pronunciar o Ĵ e maior nasalização das letras seguidas de M, N ou Ñ. A cadência é menos harmoniosa e as palavras com mais de três sílabas possuem uma acentuação secundária menos regular. O nome Juniperstad é pronunciado ĵu-ni-per-stád (compare com a versão do dialeto juniperiano, ĵu-ni-per-stád). Esta variante também é marcada pela grande quantidade de termos em inglês (a maioria giptanizados), principalmente gírias.

Obs.: O giptanês dos distritos eugenídeos nos EUA e Canadá possui alguma influência do inglês, mas é essencialmente uma variante do dialeto juniperiano.

- Poli'''''ŝkan

Variante falada na Polônia e regiões vizinhas, é o dialeto que mais se distancia do padrão. Fortemente influenciado pelos idiomas eslavos, principalmente o polonês, de forma que até 4% das palavras são substituídas por termos nesta língua (por exemplo, o termo ŝprekler, "idioma", é substituído por jazyk ou jazik). O Poliŝkan incorporou a letra Y em seu alfabeto, principalmente nos termos oriundos do polonês, o que causou certa polêmica.

As principais características distintivas são a presença de nasalizações,  tendências a formar dígrafos, arcaísmo de algumas construções gramaticais (muitas reformas que ocorreram na forma padrão foram ignoradas neste dialeto), E e O majoritariamente fechados, uso do y, que soa intermediário entre i e u (algo como o y'éri russo, ы), C seguido de E ou I pronunciado como um /ts/ forte, ordem das palavras mais similar à do polonês, padrão paroxítono mais rígido, entre outras. Ele possui um alfabeto informal próprio, com 33 letras (incluindo y) e aceita certos dígrafos. Muitos consideram o Poliŝkan como uma língua-irmã do Giptanês, ou seja, um idioma separado, e não um dialeto seu.

- Rusgiptan ou Rusgu'''''íptan (Giptan'ês russo)

Variante não muito bem definida, falada sobretudo em outros distritos eugenídicos na Rússia, sempre juntamente com o dialeto padrão. É basicamente um giptanês juniperiano eslavizado com grande quantidade de termos russos, por vezes escrito com uma variante do alfabeto cirílico. O o' átono tem um som que tende ao a, além da entonação ser um pouco pesada; o C pronuncia-se /ts/ forte quando seguido de E ou I e como /kj/ seguido de A, O, e U. Há variações dentro do dialeto, o que dificulta sua caracterização. Sua principal marca característica é o Q quase mudo: palavras como qion, qiman e exq'''''úlz pronunciam-se aproximadamente como ion, iman e exúlz. Também usa alguns cumprimentos russos giptanizados, como por exemplo, priv'''''ët, kak djel'''''á? (oi, como vai?), no lugar dos cumprimentos comuns da língua (hej, ha'''''ŭle stas ju?). Esta variante é a única que pode ser escrita usando o alfabeto cirílico. O nome do dialeto é uma palavra-valise composta pelo nome dos idiomas: rusijan (russo) + giptanes (giptanês). Em muitos casos, em algumas regiões, a quantidade de termos russos é tanta que torna o dialeto quase incompreensível.

- Giptan'''''ês Zeroland'''''ês

Variante dialetal falada na Ilha Zero. Muito semelhante ao padrão, distingue-se pela presença maior de termos em Esperanto e Português. Possui uma pronúncia suave, sendo menos influenciado pela fonologia do russo; o R é ligeiramente menos vibrante, há mais nasalização das terminações em -an (influência do português), diferença entre K e Q tão evidente quanto no dialeto padrão, entonação semelhante à do Esperanto, uso de cumprimentos do Esperanto (como saluton), tendência a adicionar um o no final de substantivos terminados em consoante (rajz > rajzo; monér > monero etc). O Giptanês é a quarta língua mais falada na Ilha Zero, e cerca da metade dos falantes usa este dialeto.

 

5- Textos

5.1- Cumprimentos

 

Hej; Hel'''''ö; Priv'''''ët Oi, Olá, Alô

Ha'''''ŭle stas ju? - Como você está?

Voluntani - Muito prazer!

Saluton Saudações, oi

Godjan? - [Tudo] bem?

Godjan. - [Sim, tudo] bem.

Lukan! - [Boa] sorte!

Чarmigen! - Encantado(a)

Exq'''''úlz - Desculpe, Com licença

Ha'''''ŭl' exq'''''úlz - Com licença

Dankon - Obrigado

Nedankindes - De nada

Na'''''ŭpl'''''ëjz - Não se incomode

Plejz - Por favor

Bone dija - Bom dia

Bona vesper - Boa tarde

Bona nokte - Boa noite

Ŭelkom - Bem vindo

Kuman! - Entre, Pode entrar

Qiman! - Queira entrar, Esteja a vontade

An kaf'''''ëj? - [Aceita] um café?

Gojes '''''ŭit Di'''''ŭs - Vá com Deus

Ĝ'''''is la revida - Até a vista, tchau

Ĝ'''''is - Até (pode ser usado como "adeus")

Stijes on pajz Esteja em paz

A'''''ŭ'''''s fr'''''ë'''''jdesan – Adeus (mais usado como gíria)

 

Obs.:

- Voluntani geralmente é uma resposta para saluton. Esses cumprimentos não têm uma tradução exata para o português, podendo abranger vários significados.

- Saluton, Dankon, Nedankindes e Ĝis la revida vêm do Esperanto; os dois últimos com pequenas modificações.

- A'ŭ's fr'ë'jdesan é originário do alemão, sendo um resquício desse idioma no Giptanês. Assim como Priv'ë't, originado do russo. Ambos são mais usados como gírias.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória